O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou a criação de um programa para famílias de baixa renda que irá unificar os programas de auxilio de renda existentes no Brasil. A ideia do programa será substituir o Bolsa Família e deve entrar em rigor a partir de outubro de 2020, após o pagamento das parcelas do auxílio emergencial, criado pelo governo para reduzir os impactos financeiros devido a pandemia do coronavírus.

O programa Renda Brasil está em processo de aprovação e está sendo discutido entre Jair Bolsonaro, presidente do Brasil e o Paulo Guedes. A ideia do programa é ampliar a cobertura do atual Bolsa Família, incluindo trabalhadores informais, desempregados e autônomos, que atualmente estão recebendo o Auxílio Emergencial.

Nesse artigo vamos explicar como irá funcionar o Renda Brasil e como ele irá substituir o Bolsa Família.

Renda Brasil: Quem tem direito?

Criado em 2003 pelo governo do PT, o Bolsa Família é um marco do partido político. A criação do novo programa Renda Brasil, é uma tentativa de aproveitar um programa consolidado e ligar ao novo mandato do presidente do Brasil. O programa, segundo informações divulgadas por Paulo Guedes, tem o objetivo de ser mais amplo, incluindo pessoas que não estariam cadastradas no Bolsa Família, mas receberam o Auxilio Emergencial.

O Bolsa Família é destinado a pessoas de pobreza e extrema pobreza do Brasil, e de acordo com a Caixa, são cerca de R$ 13,9 milhões de famílias. No novo programa essas famílias estariam automaticamente cadastradas e englobariam as pessoas que estão recebendo o auxilio emergencial do governo devido a pandemia.

Renda Brasil: Qual o valor a ser pago?

Ainda não foram divulgados os valores oficiais a serem pagos no programa Renda Brasil, atualmente o programa Bolsa Família paga em média R$ 200 por mês.

Devido a crise da pandemia coronavírus o governo está pagando atualmente o Auxílio Emergencial, que seriam 3 parcelas de R$ 600 para ajudar a população e trabalhadores informais nesse período de quarentena.

O benefício do Renda Brasil tem a expectativa de ser pago com o valor entre R$ 250 e R$ 300 por mês.

Quais programas deixariam de existir para a criação do Renda Brasil?

O ministro da Economia disse que a ideia no novo programa Renda Brasil, seria unificar os programas sociais já existentes no país, mas não deixou claro quais seriam esses programas unificados.

A equipe econômica do governo pretende analisar os beneficiários do atual programa Bolsa Família e a partir dos cadastros realizados para o recebimento do Auxilio Emergencial na pandemia, criar um programa mais eficiente em auxiliar as famílias mais necessitadas do Brasil atualmente.

Alguns benefícios atuais foram citados como ineficientes, e podem passar por revisão para abertura de orçamento para outros programas sociais. Veja quais foram citados:

Abono salarial

É um benefício de até um salário mínimo voltado para quem ganha até dois salários mínimos e possui carteira assinada. Ele foi criado para pessoas mais pobres, mas atualmente abrange jovens de classe média e alta que estão no início da carreira, portanto, o governo não vê a necessidade de manter o programa.

Seguro-defeso

É destinado a pescadores que são proibidos de exercer a atividade de pesca na época de reprodução dos peixes. O governo vê que esse tipo de auxílio poderia ser incluído no programa Renda Brasil.

Farmácia Popular

O programa distribui medicamentos básicos gratuitamente ou com descontos nas farmácias conveniadas. O programa não exige nenhuma renda máxima para pegar ou comprar os remédios com desconto, o que gera um gasto grande em medicamentos para o governo, sendo que muitas pessoas tem condições de comprar.